CINECLUBE 2019

DEZEMBRO

Dia 05, quinta-feira, 19h
Cine Italiano
Nós que nos amávamos tanto, (C’eravamo tanto amati) de Ettore Scola. Itália. 1974. 124 min. Comédia dramática. 12 anos.

Três soldados da resistência se tornam amigos durante a Segunda Guerra. A amizade entre eles é posta a prova durante as desilusões da vida no pós-guerra.

Mediador: Silvio Saffaro, Círculo Ítalo Brasileiro (CIB).

Dia 06, sexta-feira, 19h
Gênero e Alteridades
Mother of George, de Andrew Dosunmu. EUA. 2013. 107 min. Drama. Sem classificação.

Adenike e Ayodele são um casal nigeriano que vive no Brooklyn. Após a celebração de seu casamento, surgem complicações com a incapacidade de conceber um bebê.

Mediadores: Profª. Drª. Marta Corrêa de Moraes (UFSC) e Prof. Dr. Rogerio Machado Rosa (UFSC).

Dia 10, terça-feira, 19h
Infância, Cultura e Arte
O que eu mais desejo (Kiseki) de  Hirokazu Koreeda. Japão. 2011. Drama. 128 min. Livre.

Dois irmãos vivem separados após o divórcio de seus pais. O que o irmão mais velho deseja, é que sua família viva junta novamente. Por isso, quando escuta a história de que um desejo pode ser realizado se feito no momento em que dois trens-bala se cruzam, ele decide organizar uma viagem secreta até o ponto de intersecção dos trens.

Dia 11, quarta-feira, 19h
Art-7
No Calor da Noite (In the Heat of the Night) de Norman Jewison.  EUA. 1967. 109 min. Policial. 12 anos.

Um detetive negro chamado Virgil Tibbs é acusado de homicídio e preso em uma pequena cidade racista. Pouco depois de ser inocentado e liberado, Virgil passa a colaborar com a investigação local, auxiliando o xerife.   

Dia 12, quinta-feira, 19h
Cinema Francês AF
Jovem Tigre (Bébé Tigre) de Cyprien Vial. França. 2014. Drama. 87 min. Sem classificação.

Many, um jovem imigrante indiano na França, luta entre o seu desejo de assimilação no novo mundo e o compromisso com o velho mundo, ao qual continua preso por laços familiares. 

Dia 13, sexta-feira, 19h
Mostra pela Democracia – Cultura e Liberdade de Expressão
Slam: Voz de Levante, de Tatiana Lohmann e Roberta Estrela D’Alva. Brasil. 2017. Documentário. 81 min. 12 anos.

Em Chicago, Nova Iorque, Paris, Rio e São Paulo, a mesma cena com diferentes faces: os poetry slams, batalhas poéticas performáticas, se firmam como encontros que instigam a criatividade, o livre pensamento e expressão.

Beat é Protesto: O Funk Pela Ótica Feminina, de Mayara Efe. Brasil. 2019. Documentário. 23 min. 18 anos.

Cena alternativa das mulheres no funk de protesto da última década em São Paulo.

Dia 17, terça-feira, 17h
Foco em Cinema
A Regra do Jogo (La règle du jeu) de Jean Renoir. França. 1939. 109 min. Comédia. 14 anos.

Em tom de farsa, o filme revela as “regras do jogo” da sociedade francesa, focando a luta de classes entre aristocratas e empregados.

Mediação: Bruno Andrade, crítico de cinema.

Dia 17, terça-feira, 19h
Foco em Cinema
Tartufo (Herr Tartüff) de F. W. Murnau. Alemanha. 1925. 75 min. Drama. 14 anos.

Um jovem decide mostrar ao seu avô milionário algo que certamente o fará ter outra visão sobre o contexto social em que vivem e o seu governo: um filme baseado no Tartuffo de Molière. 

Mediação: Bruno Andrade, crítico de cinema.

Não Reconciliados (Nicht versöhnt oder Es hilft nur Gewalt, wo Gewalt herrscht) de Jean-Marie Straub. Alemanha. 1965. 55 minutos. Drama. 14 anos.

O filme percorre meio século da história alemã a partir da experiência de uma família de arquitetos que, ao longo do século XX, constrói, destrói e reconstrói uma abadia.

Mediação: Bruno Andrade, crítico de cinema.

Dia 18, quarta-feira, 19h
Art 7
Agora Seremos Felizes (Meet me in St. Louis) de Vincent Minelli. EUA.  1944. 112 min. Musical. Sem classificação.

Em 1903, uma grande família de St. Louis tem seus planos alterados ao saber que o pai será transferido para Nova York.  

Dia 19, quinta-feira, 19h
Cine Delas
Rito do Amor Selvagem, de Lucila Meirelles. Brasil. 2019. 42 min. Documentário experimental. 14 anos.

O documentário traz lembranças, impressões e recordações que ficaram sobre um dos primeiros eventos performáticos e multimídia do Brasil, o espetáculo “Rito do amor selvagem”, de José Agrippino de Paula e Maria Esther Stoclker, realizado em 1969 no Teatro São Pedro em São Paulo. 

Presença da diretora Lucila Meirelles na sessão.

Dia 20, sexta-feira, 19h
Sessão Anime
Padrinhos de Tóquio (Tokyo Godfathers) de Satoshi Kon e Shôgo Furuya. Japão. 2003. 93 min. Animação/Aventura/ Comédia. 16 anos.
Na véspera de Natal, três moradores em situação de rua, em Tóquio, encontram um recém nascido em meio ao lixo e iniciam uma busca para encontrar seus pais.

Blogspot Twitter