Fundação Cultural BADESC promove lives com diretores de curtas catarinenses

A fim de fomentar as produções catarinenses, o Cineclube da Fundação Cultural BADESC, promove três lives com diretores de curtas catarinenses que estão concorrendo ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2020. Os encontros acontecem na terça-feira, a partir das 19h no Instagram da Fundação, no @fundacaobadesc.


A diretora Cíntia Domit Bittar participa de live da Fundação Cultural BADESC – crédito Kamila Novaes

A cineasta e curadora do Cineclube da Fundação, Vanessa Sandre, fará a apresentação das lives. A primeira será no dia 19 de maio e conta com a participação da diretora Cíntia Domit Bittar. Cíntia vai falar sobre Baile, curta de 18 minutos gravado em Florianópolis.

Para assistir gratuitamente aos curtas-metragens catarinenses que estão concorrendo ao prêmio, é só acessar o site PortaCurtas.

A programação continua na terça, dia 26 de maio com a participação do diretor do curta de animação Almofadas de Penas, Joseph Specker Nys e no dia 2 de junho a conversa será com Ilaine Melo, diretora do curta documentário Licença Poética.

Estes são três filmes catarinenses entre os 61 selecionados na primeira etapa do prêmio. As obras são compostas por ficções, animações e documentários.

Programação live Sessão Curtas

Dia 19 de maio, terça-feira, às 19h
Baile
De Cíntia Domit Bittar. 2019. SC. 18 min. Ficção. Livre.
Sinopse: há certos dias que, mesmo sem grandes acontecimentos, nos forçam a crescer. Andrea tem só 10 anos e talvez ainda não perceba que seu dia foi assim.
Filme disponível neste link. 

Dia 26 de maio, terça-feira, às 19h
Almofada de penas
De Joseph Specker Nys. 2018. SC. 12 min. Livre
Sinopse: Logo após sua lua de mel, Alicia contrai uma doença inexplicável, enquanto seu marido Jordão presencia tudo de modo indiferente. Algo oculto a está enlouquecendo. A doença faz a jovem mulher mesclar a realidade com alucinações monstruosas.
Filme disponível neste link. 

Dia 2 de junho, terça-feira, às 19h
Licença Poética
De Ilaine Melo. 2019. SC. 13 min. Livre
Marçal Aquino, um dos escritores contemporâneos mais importantes do Brasil, fala sobre como a literatura o libertou. Felipe, um leitor quase comum, conta que lê para se libertar. O encontro dos dois revela que a muralha que aparentemente os separa é bem menos espessa do que ser poderia imaginar.
Filme disponível neste link. 

Compartilhe este post: