IMG inventário, de Beatriz Rodrigues-27

INVENTÁRIO

14ª BIENAL INTERNACIONAL DE CURITIBA | FRONTEIRAS COLABORATIVAS

BEATRIZ RODRIGUES

CURADORIA DE GUSTAVO REGINATO

ESPAÇO PAULO GAIAD | 31 DE AGOSTO A 03 DE OUTUBRO DE 2019

Imagens fotográficas são apresentadas em diferentes suportes e em relação com outras linguagens, como a pintura, a literatura, o livro de artista, o vídeo e a instalação. Explorando a noção de inventário como ponto inicial, a mostra propõe um pensar sobre os processos de arruinamento de bens culturais materiais, como uma reunião de bens de valor afetivo e social. Beatriz Rodrigues é artista visual e arte educadora. Vive e trabalha em Rio Grande.

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

APRESENTAÇÃO

Paisagem horizonte (pedra semente), 2019. Fotografias em papel matte, dimensões variadas.

Um inventário, muito mais que um arquivo que enumera itens e bens, trata-se de uma invenção. Com a capacidade de resgatar fragmentos antropológicos, coletando imagens e informações, Beatriz Rodrigues, como artista, historiadora e filósofa, apropria-se dos suportes das artes visuais para recriar suas reflexões sobre a ocupação das cidades, o mercado imobiliário, a história da arquitetura e seus processos de demolição e reconstrução, mas acima de tudo, resgatar as memórias que se fazem presentes em suas obras.
Beatriz inventa portanto novas dimensões a serem habitadas em espaços permeados pelo abandono e pela degradação. Seus processos de coleta de imagens e fragmentos de ruínas se iniciaram há mais de dez anos, gerados por inquietações e angústias, pela incompreensão da falta de cuidado com o patrimônio histórico e cultural. Seus processos de coleta são uma tentativa de fazer durar aquilo que tende a ruir e escapar por entre os dedos. Assim como o artista Nuno Ramos, Beatriz começou a arrancar a pele das coisas para ver o que havia debaixo, percebeu que a pele dos tijolos ia virando pó. Como se tentasse capturar o pó com uma peneira, seus trabalhos de inventário são uma pequena fração de moléculas capturadas de uma matéria que se esvai com o passar do tempo. O que permanece é uma invenção, ficção de uma possível realidade inventariada, que já não habita mais as paisagens de onde foram coletadas, mas sim espaços expositivos de arte e reflexões geradas pelo seu contato com o público.
O que antes era um processo de indignação pelo abandono, hoje se torna um processo de observar a natureza das coisas. Se humanos ali já não habitam mais, se ali não há mais mãos que zelam com cuidado, outras formas de vida começam a brotar. Os vegetais começam a reinar, as memórias a sedimentar. A matéria se transmuta, o desapego é inevitável. Se tivéssemos uma melhor compreensão da temporalidade entrópica, talvez não nos debateríamos contra os processos de transformação da matéria, que inegavelmente tende a decair.
A sensibilidade de Beatriz aflora nas soluções que encontra para exibir ao público sua pesquisa de imagens, que começa na fotografia, transborda para o campo escultórico imersivo de instalações e peças fotográficas. Os indícios aqui presentes permitem que você possa recriar este inventário, muito além de tentar descobrir a história destas ruínas, tente vasculhar como estas imagens habitam em você.

Gustavo Reginato | Curador

COMPARTILHE ESTE POST: