Minha fantasma “A”, 2015. Projeto Hotel Miradouro. Fotografia 48 x 82 cm

OUTRA NOITE NO HOTEL

FABIANA WIELEWICKI

ESPAÇO FERNANDO BECK | DE 17 DE MAIO A 21 DE JUNHO DE 2018

A artista pensa o espaço do hotel como um lugar físico e ficcional ao mesmo tempo repleto de histórias, estabelecendo relações com imagens cinematográficas, criando uma atmosfera de mistério e fantasmagoria. Dois projetos integram a exposição: Grande Hotel e Hotel Miradouro, com séries de fotografias e vídeos desenvolvidos entre 2012 e 2017, quando a artista se hospedou em vários hotéis brasileiros, muito similares entre si, e no Hotel Miradouro em Portugal, que se assemelha a um cenário cinematográfico. Fabiana Wielewicki é artista visual brasileira, doutora pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, cidade em que vive e trabalha.

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

APRESENTAÇÃO

Still Blank 2, Projeto Hotel Miradouro, 2015. Fotografia, 75x55cm.

Outra noite no hotel conjuga fragmentos de narrativas cinematográficas e o espaço do hotel entendido como local físico e ficcionado. O universo do cinema e a sensação ambivalente de reconhecimento e estranheza experimentada nestes espaços convergem aqui numa pesquisa pautada pelo tensionamento entre imagem e lugar, ativando conexões ficcionais com a dimensão do misterioso e do fantasmagórico.
Meu interesse pelo imaginário do hotel surge na produção do projeto Grande Hotel (2009-2012) cujo corpo de trabalhos estrutura-se a partir da soma de registros de diferentes hotéis por onde estive, embora pareça reafirmar sempre o mesmo lugar cliché. O componente ficcional do projeto Grande Hotel encontrou rebatimento em um local visitado em 2013: o Hotel Miradouro (Porto, Portugal). Situado em um edifício dos anos 1960, possui janelas panorâmicas e conserva ainda o mobiliário original da época. O estabelecimento parece estar à margem dos rankings do setor hoteleiro e turismo comercial, avesso a contorcionismos nostálgicos ou a uma padronização intemporal. Instaura uma lógica própria de funcionamento, um tipo de resistência, que escapa aos padrões de classificação. Suas instalações conjugam solenidade e decadência, aludindo a um tempo indefinível, próximo da experiência fílmica. Foi a proximidade com o cinema que deu origem ao projeto Hotel Miradouro.
As projeções assumiram protagonismo ao longo da produção do projeto Hotel Miradouro, evidenciando a relação entre as cortinas do quarto e a ideia de tela (cinema). Porém, quando o processo de projetar filmes exaustivamente é substituído por uma projeção em branco, a superfície da tela deixa de ser o espaço da ficção, revelando o próprio lugar como ficção. A série Still Blank sugere um espaço de espera (ou vazio), reforçando um desejo ficcional que enfoca o lugar: é o próprio hotel que aparece iluminado no centro da projeção, e não uma narrativa exterior a ele sobreposta.

Fabiana Wielewicki

VEJA MAIS

COMPARTILHE ESTE POST: