TESTA SITE

PRÊMIO AF DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2021

DIEGO DE LOS CAMPOS • FRAN FAVERO • GABI BRESOLA

ESPAÇO FERNANDO BECK | 09 DE OUTUBRO A 11 DE NOVEMBRO DE 2021

A 8ª Edição do Prêmio Aliança Francesa de Arte Contemporânea, de Florianópolis é realizada em parceria com a Fundação Cultural BADESC que organiza a mostra com obras dos três finalistas: Diego de los Campos, Fran Favero e Gabi Bresola. Os artistas foram selecionados por Mathilde Lajarrige, Niura Borges e Sandra Checruski. No dia da live de abertura, divulgou-se a atribuição do primeiro lugar que recebe como prêmio uma residência na Cité Internationale des Arts, em Paris.

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

APRESENTAÇÃO

Estabelecer perspectivas contemporâneas sobre o território é uma das questões presentes na produção dos artistas Diego de los Campos, Fran Favero e Gabi Bresola, finalistas da 8ª Edição do Prêmio concebido pela Aliança Francesa de Florianópolis.

Com seleção realizada por Niura Borges, pesquisadora e galerista gaúcha, Sandra Checruski, coordenadora do setor educativo e de programação cultural do Museu de Florianópolis e Mathilde Lajarrige, Gerente de Projetos do Departamento das Residências do Institut Français em Paris, os artistas apresentam um recorte de seus percursos artísticos nesta exposição.

Em uma curadoria compartilhada, a mostra coletiva explora a potencialidade das obras criando um circuito que contempla a possibilidade de pensar sobre territorialidades da arte, seja sob perspectivas da linguagem, materialidade e ou poética.

Marilyn Pellicant | Aliança Francesa de Florianópolis
Margaret Waterkemper | Fundação Cultural BADESC

DIEGO DE LOS CAMPOS

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

Diego de los Campos (1971) é formado em 1997 na Faculdade de Artes da Universidade da República, Uruguai. Desde 1999 no Brasil, foi selecionado em salões de arte contemporânea como o de Piracicaba, Ribeirão Preto, Arte Pará e o Salão de Natal, entre outros. Em 2011 expõe individualmente no Museu Victor Meirelles “Simpatia”, exposição que virou itinerante pelo Sesc de Santa Catarina. Em 2016 expõe no Museu de Arte de Blumenau, na Sala Municipal Vichietti e no Instituto Internacional Juarez Machado, a série “Antirretratos”, e no Masc, “Desenhos de um Real”, 4 mil desenhos feitos em menos de 3 minutos cada, para serem vendidos por um Real. Indicado ao Prêmio Pipa de 2019 e selecionado no Rumos Itaú Cultural 2020-2021. Desde 2010 forma parte do Coletivo Artístico Nacasa onde tem seu ateliê e dá cursos de arte multimídia.

FRAN FAVERO

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

Fran Favero (1987) é artista visual e curadora. É mestra e graduada em Artes Visuais pela UDESC, com intercâmbio para a UQÀM, em Montreal, Quebec. Pesquisa as relações de fronteiras que permeiam territórios, corpos e memórias, atuando no campo dos multimeios, incluindo produções em fotografia, vídeo, publicações de artistas e instalações. Entre as principais exposições que participou como artista estão as individuais Ninguém consegue segurar o ar, 14a Bienal Internacional de Curitiba, MASC/SC, 2019; Y/Rembe ́y, Museu Victor Meirelles/SC, 2016; REDECHOQUE - Fran Favero, Exposição online, Galeria Choque Cultural, SP, 2019; e as coletivas Notícias do Brasil, Diafragma Covilhã International Photofestival, Portugal, 2021; What’s going on in Brazil, Les Rencontres de la Photographie d’Arles, França, 2019; Confluências: arte em intercâmbio, Sesc Interlagos, São Paulo/SP, 2017; Antípodas Contemporâneas, 13a Bienal Internacional de Curitiba, MESC/SC, 2017; Projecto Multiplo #5, Centro Cultural São Paulo/SP, 2013. Em 2018, foi selecionada para o Prêmio Jovens Artistas: a arte contemporânea em Santa Catarina. Atualmente participa das residências artísticas A Zero–publicações de artista, Editora Medusa, Curitiba/PR e SomaRumor- Arte Sonora, UFF/RJ. É professora colaboradora do Departamento de Artes Visuais da UDESC, integrante da equipe do Projeto Armazém –exposições e feiras de múltiplos e publicações de artista e vice-diretora da ONG Observatório Nacional da Cultura (ONC).

GABI BRESOLA

previous arrow
next arrow
Full screenExit full screen
previous arrownext arrow
Slider

Gabi Bresola (1992) é mestra e graduada em Artes Visuais pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Faz e pesquisa publicações de artista na plataforma par(ent)esis desde de 2017, na editora editora edições desde 2014. Co-organiza a Flamboiã feira de publicações de artista desde 2015. Desde 2012, realiza exposições, publicações e trabalho principalmente na elaboração de projetos culturais de artes visuais e cinema pela Ombu produção. Atualmente, é representante de Artes visuais no Conselho Estadual de Cultura e membra do Conselho editorial da Livraria e editora Humana. Fez curadoria e coordenação de eventos como a mostra.doc, a Flamboiã feira de publicações de artista e a mesa Latina na Tijuana (Casa do Povo/SP). Fez curadoria e produção de exposições como “Interior”, “Verada” e “Reles chão” que circularam pelo estado através da Rede Sesc de Galerias e Prêmio Elisabete Anderle. Como artista, realizou e participou de exposições individuais e coletivas entre elas “Empilhamento máximo” e “editora editora” em Florianópolis/SC e Itajaí/SC e a exposição “Sertão” no 36o Panorama da Arte Brasileira 2019, no Museu de Arte Moderna de São Paulo e a exposição "Sobre os ombros de gigantes" em 2020, na Galeria Nara Roesler em São Paulo e Nova York. Dirigiu o curta-metragem "Larfiagem" (vencedor do Prêmio de melhor filme pelo júri e júri popular e melhor documentário do Mercosul do FAM–Festival audiovisual do Mercosul). Atuou como produtora nos filmes "Antonieta" de Flávia Person e "Documentário" de Rafael Schlichting, fez a direção de arte do curta-metragem "Rio da Madre" de Fábio Brüggemann e assistência de arte dos filmes "Do que te lembras, Maria?" de Mara Salla, "Noite Clara" de Felipe Vernizzi e a novela "Mulheres na indústria" de Zeca Pires e foto still e projeto gráfico do curta-metragem “As rendas de Dinho” de Adriane Canan e do filme “O Poeta de Cordel” de Ilka Goldsmith e Cassemiro Vitorino.

VEJA MAIS

COMPARTILHE ESTE POST: