16-12-01-HABITAR-OS-INCORPORAIS-Schwanke-exposição-62-scaled-e1594234294223

ACERVO VIRTUAL

Aqui estão organizados os registros das exposições que passaram pela Fundação Cultural BADESC, bem como edições especialmente preparadas para o site. Consideramos acervo virtual o conjunto de imagens, sons, textos e memórias trazidas generosamente pelos artistas à Casa e que passam a ser um patrimônio preservado pela Instituição. O objetivo deste projeto é garantir o acesso do público e de pesquisadores a um vasto material sobre artistas, suas produções e a arte contemporânea em Santa Catarina, mantendo-se um registro consistente e cuidadoso. Todos os direitos quanto ao uso das imagens das obras permanecem exclusivos dos próprios artistas. Alterações consideradas necessárias poderão ser solicitadas, a qualquer tempo, para a Equipe da Fundação.

JOVENS ARTISTAS: ARTE CONTEMPORÂNEA EM SANTA CATARINA | DOS DESVIOS E DO DESVER, Coletiva

A exposição, resultado de projeto contemplado pelo prêmio Elisabete Anderle 2017, reúne obras de 26 artistas de até 35 anos que atuam no cenário da arte contemporânea no Estado, com o objetivo de ampliar a inserção de artistas jovens no sistema e nos espaços culturais catarinenses, nacionais e internacionais.

ENTRE NÓS, O SILÊNCIO, de Franzoi

A exposição reivindica a noção de ciclo, de passagem inexorável de tudo que se estende na temporalidade para o entendimento de aspectos fundamentais da existência. Os vestígios que o artista deixa no espaço expositivo após a performance servem de rastro da aventura individual: um convite à reflexão em meio a quietude.

OLHAR O DESENHO, de Flávia Duzzo

Utilizando materiais diversos, como barra de grafite sobre papel e fios de telefone, as obras propõem um pensar acerca da linguagem do desenho e as relações entre a linha, o plano e o suporte.

MÁQUINAS DO ABISMO, de Rogério Negrão

Objetos, vídeo, instalação sonora, painel de desenhos e máquinas imaginárias compõe a mostra inspirada em desenhos de patentes industriais. Ao conceber engrenagens para resoluções de problemas cotidianos, o artista ultrapassa o limiar entre a engenharia e a poética.

NADA É IMAGEM, NADA É MIRAGEM, de Maria Baptista

Mais do que representar uma paisagem, a artista a recria e a transpassa. As obras apresentadas emergem da necessidade que sente em revelar a epifania vivenciada em 2014 quando visita a Chapada Diamantina (BA) e Campos Gerais (PR), envolvida em um outro projeto artístico.

FOTOGRAFIA: SEUS SISTEMAS HÍBRIDOS E FRONTEIRIÇOS, Coletiva | BIENAL INTERNACIONAL DE CURITIBA | POLO SC

A fotografia está pensada de forma ampla, apresentada por alguns dos artistas em diálogo com objetos, esculturas, performances.

DE TANTO QUE SE VAI, ALGO FICA, de Isadora Stähelin

Registros e recordações de
caminhadas feitas pela artista em seu processo de observar cenas que normalmente passam despercebidas na paisagem urbana.

RECORTES URBANOS, de Susana Bianchini

A artista percorre o Centro Histórico de Florianópolis aguçando o olhar para cenas corriqueiras, que registra
em fotografia, reelaborando as imagens por meio da pintura. Cenas que predominam na paisagem urbana, mas que normalmente passam despercebidas pela multidão.

SILÊNCIO, de Fabio Dudas

O silêncio é o elemento dominante nos trabalhos apresentados nesta exposição. O silêncio no sentido de não falar, não contar um segredo. O silêncio omisso.

EXPRIMÍVEL DO VAZIO, de Juliana Hoffmann

A artista ressignifica plasticamente o que resta de livros e objetos em ruinas, destruídos por traças e cupins, como forma de expressar a passagem do tempo e suas reminiscências. A mostra integra a Edição 2017 do Circuito Propagações, uma parceria entre a Fundação Cultural BADESC e o Sesc/SC.

O MUNDO QUE CABE NAS PUPILAS, de Cassia Aresta

Ao deslocar em 90 graus a visão do mar em movimento, do ângulo dos pés para o dos olhos, transforma o que fora ondas em montanhas. Ao re(a)presentar as imagens na parede em alturas descontínuas, cria novos ritmos e texturas.

OBSCENA, de Iam Campigotto

Executado em colaboração com outros artistas, o corpo do artista é oferecido como leitura na investigação de diversos processos de registros, em still e em movimento, que permitem questionar a fluidez entre performance, fotografia e audiovisual.

ACERVO

Aqui estão organizados os registros das exposições que passaram pela Fundação Cultural BADESC, bem como edições especialmente preparadas para o site. Consideramos acervo virtual o conjunto de imagens, sons, textos e memórias trazidas generosamente pelos artistas à Casa e que passam a ser um patrimônio preservado pela Instituição. O objetivo deste projeto é garantir o acesso do público e de pesquisadores a um vasto material sobre artistas, suas produções e a arte contemporânea em Santa Catarina, mantendo-se um registro consistente e cuidadoso. Todos os direitos quanto ao uso das imagens das obras permanecem exclusivos dos próprios artistas. Alterações consideradas necessárias poderão ser solicitadas, a qualquer tempo, para a Equipe da Fundação.

FUNDAÇÃO CULTURAL BADESC

Passados 15 anos, a Fundação é considerada um dos espaços expositivos e culturais mais conceituados de Santa Catarina. Prova disso são os números das atividades culturais gratuitas realizadas ao longo desses anos.
Nesta página, registros de 2006 até 2014 das atividades realizadas na Fundação Cultural BADESC.

Espaço Expositivo Fernando Beck.

ESPAÇO FERNANDO BECK

O projeto resgata a história do Espaço Fernando Beck, essencial à memória das Artes em Florianópolis. Nesta página, registros das exposições ocorridas de 1991 a 2005, período em que o Espaço ocupou o Hall da Agência BADESC, sob coordenação de Neusa Barbi.

PRÊMIO AF DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2021

8ª Edição da Premiação da Aliança Francesa de Florianópolis tem como parceira a Fundação Cultural Badesc, que recebe a mostra com obras dos três finalistas: Diego de los Campos, Fran Favero e Gabi Bresola.

BUQUÊ MARGINAL, de Bruna Granucci e Edinara Patzlaff

Primeira exposição individual das artistas visuais que consiste em uma instalação de buquês de mato seco suspensos em varais de linha e a projeção de vídeo experimental.

PEDRA-CARNE, de Meg Tomio Roussenq

Pedra-Carne, que faz um recorte dos últimos 10 anos de produção da artista. Com curadoria de Anna Moraes e Rafaela Maria Martins, a mostra é composta por cerca de 20 obras e séries, divididas em quatro temas curatoriais: Pedra, Carne, Carnificina e Florescer.

RETRATOS FANTÁSTICOS, de Carol Krügel

Trabalhando principalmente com lápis sobre papel envelhecido, a artista cria retratos de seres fantásticos, criando fotografias desses personagens nesse mundo antigo inventado, onde se apresentam como precisamente históricas e ao mesmo tempo com algo de irreal.

AS COISAS DISTANTES PARECEM MENORES DO QUE SÃO NA REALIDADE, de Dante Acosta

Recorte de uma produção artística que investiga as possibilidades do desenho, em práticas realizadas nos últimos cinco anos. São ao todo dezenove trabalhos, com suportes em tela e papel e executados manualmente com canetas e tintas aquareladas – além de edições impressas originárias de desenhos em sketchbook.

PRÊMIO AF DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2020

7ª Edição da Premiação da Aliança Francesa de Florianópolis tem como parceira a Fundação Cultural Badesc, que recebe a mostra com obras dos três finalistas: Anna Moraes, Edson Macalini e Jan M.O.

TRAGO A MODERNIDADE, Coletiva

Artistas do Brasil, México e Chile participaram da exposição Trago a Modernidade. A mostra coletiva foi apresentada no espaço Fernando Beck da Fundação Cultural BADESC.

COLEÇÃO CATARINA: COLETAR E CUIDAR

Coletar e cuidar ou colecionar e curar é o mote da coleção catarina, um conjunto de obras de artistas e relacionadas com Santa Catarina, que vem sendo construído por cerca de 40 anos. Curadoria de Ylmar Corrêa Neto.

OVA, de Maristela Müller

A série de fotografias e objetos artísticos remetem à fertilidade e podem representar ovos e óvulos de qualquer animal. O título também remete à expressão uma ova, que exprime negação e repúdio, criando um contraponto poético.

PRÊMIO AF DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2019

6ª Edição da Premiação da Aliança Francesa de Florianópolis tem como parceira a Fundação Cultural Badesc, que recebe a mostra com obras dos três finalistas: Anna Moraes, Cyntia Werner e Romeu Silveira.